Politicamente incorreto


Comentários rápidos

Para os admiradores do Estagirita:

 

Saiu uma edição do Órganon, em português, pela EDIPRO. A tradução é de Edson Bini. E, cá entre nós, está excelente.

 

 

Para os advogados que não leram Das categorias.

 

Aqueles que têm contato com as peças processuais e estragam-nas separando com vírgula verbo do predicado, ou expressão como “se, não, vejamos”.

 

 

Para a "pessoa humana":

 

A comunicação humana tornou-se o hiato entre o que se diz e o que se pensa. Normalmente não se diz e pensa-se disparatado.

 



Escrito por Tiago às 13h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


Resquício de sobrevivência

Estou com a vida deveras ocupada. De vez em quando lotando de utilidades. Uma possibilidade de iniciação cientifica em Aristóteles, um estágio remunerado e os estudos na faculdade. Porém não esqueço dos parcos leitores. Disponibilizo para os sobreviventes uma reflexão mui saborosa sobre uma frase que surgiu numa aula de metodologia e aplicação do Direito. Divirtam-se.

“ Os padres e freiras da Amazônia, brasileiros ou não, funcionam como sentinelas da civilização em pedaços do Brasil onde o Poder Público não manda e sabe que não manda"

Elio de Gaspari.


Em verdade, padres e freiras não funcionam como “sentinelas da civilização” a serviço da ordem pública, se funcionassem deixariam de seguir o princípio da não- contradição, verdade aristotélica ainda vigente, de aspecto muito peculiar: uma coisa não pode ser outra coisa ao mesmo tempo. Já se conhece, portanto, a função do religioso: de não estar em contato como protetores da ordem pública, mas como entusiastas da ordem espiritual. E, no fundo, a última é mais importante. Não se faz ordem pública com supervisão total do Estado – tal situação beira ao totalitarismo-antes se possibilita a concretização de homens maduros, responsáveis, moralmente responsáveis. Homem ainda é gênero, sem o paliativo do politicamente correto. Ademais, o Poder Público não manda em totalidade, se mandasse oportunamente estaríamos a viver no mundo de 1984 de Orwell, no qual até as consciências são moldadas pelo Grande Irmão. Ainda: saber que não manda (o Estado) é omissão deliberada ou incapacidade administrativa? Nenhuma das anteriores, pela própria noção de Estado (Ele não é um deus na terra, como alguns idealistas acreditam) ; ou é intencionalidade mascarada ou limitação física: ele não pode tudo, pois é limitado; se deseja o ilimitado, passa a mascarar oportunidades em intenção de ser tudo.



Escrito por Tiago às 19h48
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico
01/11/2007 a 30/11/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/01/2006 a 31/01/2006
01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/07/2005 a 31/07/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/11/2004 a 30/11/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004
01/02/2004 a 29/02/2004




Outros sites
 Wunderblogs
 Oito Colunas- casa nova
 Oito Colunas
 O Esquisito
 Austríaco
 Contra Ilusão
 Direita
 Patinando com o Alter-Ego
 Fabio Ulanin
 Método da Suspicácia
 O Indivíduo
 Blogico
 Zadig
 Nadando contra a Maré
 Se.liga.com.BR
 Grimaldo
 Amigos da América
 Fora do mundo
 Dardanus
 Filthy McNasty
 Mises Institute
 Lew Rockwell
 Stanley Kubrick
 Bob Dylan
 T.S.Eliot
 Mídia Sem Máscara
 Diego Casagrande
 E-books
 Aristóteles
 Machado de Assis
 Permanência
 Instituto Liberal-RJ
 Alguns bons artigos
 Xavier Zubiri
 Eric Voegelin
 Michel Villey
 Marcel Proust
 Antígona
 Associação Cultural Santo Tomás
 Olavo de Carvalho
 Mendo Castro Henriques
 Pequeno-burguês
 Cosa Mentale
 Claudio Tellez
 Cinema elegante
 Plural
 Meta o pé na jaca