Politicamente incorreto


Pé de coelho para ano que vem, diz Terno Hugo Boss.

Meu afortunado terno Hugo Boss solicita embargos de declaração contra minha atitude de boicotar a retrospectiva deste ano que se finda. Ele deseja conhecer a profundidade dos acontecimentos e fornecer simpatias para vindouro ano.

Como acredito que a maioria dos brasileiros fornece azo às mandingas supersticiosas, permito a tergiversação do prestimoso e declaro improcedente a retrospectiva.

Diz o arauto do bom-ano que façam o seguinte afim de que  nicromantes desapareçam: usem filtro solar, não comam aves que ciscam para trás ( pode comer se ciscar para frente), tenham fé no Fome Zero, sejam idealistas demasiadamente – ou seja, somente conservem como universitários- pule ondas se morar no litoral e acreditem na ONU.



Escrito por Tiago às 22h58
[ ] [ envie esta mensagem ]


Ombudsman natalino.

Término da festividade assalta-me o padrão-pessoa-idiota sobre o qual a fac-símile comenta sobre os acontecimentos natalinos- por favor, conserve o silêncio- e deseja-me sucesso. Comentar sobre aspectos natalinos é deselegante, ora, pois, a designação do aspecto a ser comentado assevera tudo; menos que o Natal representa, por exemplo, o simples nascimento de Cristo por tradição de mais de dois mil anos. Dizem que o Natal é comercial demais e o papai noel é um velho -sem -graça, o que não olvida de aplausos e donaires, porém sem a pura verdade. Na realidade ficar metrificando a ladainha de que o Natal representa essas anteriores é por demais enfadonho e falso.

Outra prática: desejar-me sucesso presente e futuro e já digo, sem remorso, que tento ser cético nesses aspectos mundanos e o porvir só a incerteza da vida reserva.



Escrito por Tiago às 13h15
[ ] [ envie esta mensagem ]


Feliz Natal.

Deixo-lhes em presença do  poeta e desejo, sem falta, um feliz e Sagrado Natal.

 

 

CANTO DE NATAL

 

Belo Belo – Manuel Bandeira

 

O nosso menino

Nasceu em Belém.

Nasceu tão-somente

Para querer bem.

 

Nasceu sobre as palhas

O nosso menino.

Mas a mãe sabia

Que ele era divino.

 

Vem para sofrer

A morte na cruz,

O nosso menino.

Seu nome é Jesus.

 

Por nós ele aceita

O humano destino:

Louvemos a glória

De Jesus menino.

 



Escrito por Tiago às 18h54
[ ] [ envie esta mensagem ]


Diálogo curto:

Indivíduo A-    Você é cristão?

Indivíduo B-     Tento ser.

Indivíduo A-    Nada contra o cristianismo, mas...

Indivíduo B-     Não, tudo bem, eu carrego a cruz todos os dias.

Indivíduo A-    Não entendi.

IndivíduoB-   Por enquanto você não entenderia mesmo.



Escrito por Tiago às 23h11
[ ] [ envie esta mensagem ]


A jovem da pérola. Jan Vermeer.



Escrito por Tiago às 09h09
[ ] [ envie esta mensagem ]


" A derrota nunca é só derrota"

 

 O sobressalto de fim-de-ano no qual a relação de parentesco torna-se afável por benfeitorias, caro leitor, por que não presentear a nona sem a graça, o cunhado audacioso, a vovó caritativa ou a sogra com o exemplar de um bom livro? 

Fui presenteado, ou me presenteei, com o livro “ A viagem vertical de Enrique Vila-Matas, ideal para finais de ano fracassados. Obra prima estupenda que trata da peregrinação de um velho homem pelo sentido, um recomeçar da vida perante à má fortuna que ocorreu furtivamente, desta que surge nos momentos da incerta trajetória humana que não se permite prever. Já virou meu livro de cabeceira e desejo ser Frederico Mayol desde pequeno.

O que está esperando? O amigo do Láscio já comprou para a tia.



Escrito por Tiago às 17h14
[ ] [ envie esta mensagem ]


6 breves pensamentos sobre a - realidade do cotidiano- Por favor, verbas para meu documentário.

 1- Faz breve tempo que manifestei o afastamento compulsório das atualidades do mundo, por exemplo, a leitura do cotidiano por um jornal.  O hábito dessa cultura – estamos em época moderna – é sofrível, apesar dos abastados – pensadores – colocarem o “ mundo sujeito às mudanças” e o objeto jornal como o necessário veículo de comunicação globalizado. È uma desnecessidade dizer tal psicologia, sou um  sedentário por comunicação, admito com veemência.

Insuportável o sujeito que vem com palavras do dia-dia e tem linguajar de redação jornalística: “ é necessário” e “ é preciso”...

 

 

2- Em verdade, eu preciso lavar minhas ceroulas, disse, pensei. 

 

 

 

3- Zé Dirceu, ministro chefe da Casa Civil, em reportagem no Estadão:

 

“O Brasil precisa de planejamento, burocracia civil competente e de um Estado de bem-estar social”.

 

 

4- O que o Brasil precisa ?

 

Pesquise no Google:

 

Clique Aqui!!

 

 

5- Agora a lenda da criação.

 

Antes de qualquer burocrata, existiu“Macunaíma rei filósofo da pujança” :

 

POUCA SAÚDE E MUITA SAÚVA, OS MALES DO BRASIL SÃO”

 

 

6- Vou iniciar uma ONG e promover a campanha: eu tenho fé na burocracia.



Escrito por Tiago às 15h14
[ ] [ envie esta mensagem ]


Bob Dylan

"Era como estar em um conto de Edgar Allan Poe, no qual um personagem não é aquele que todo mundo pensa, apesar de todos falarem desta pessoa da mesma maneira"

 

"Nunca quis ser profeta nem salvador"

 

"No máximo Elvis. Posso me imaginar me transformando nele. Mas profeta? Não."

 

"Ai, Meu Deus!... Fiquei tão enojado que queria me rasgar todo"

 

 

"Devem ter posto mapas na estrada para nossa casa nos 50 Estados do país para bandos de fugitivos da escola e viciados em droga", dizia então, confessando seu desejo de "colocar fogo nesta gente".

 

"O mundo era absurdo... eu tinha poucas coisas em comum com uma geração que não conhecia e da qual diziam que eu era um dos porta-vozes"

 

Não estava com a cultura antipopular nem nada e não tinha ambições de mudar as coisas. Só pensava que a cultura dominante era um fracasso e um grande engano".

 

Mais Bob Dylan aqui !!



Escrito por Tiago às 18h28
[ ] [ envie esta mensagem ]


Vovô quer comunhão universal de bens.

O Direito de Família de outrora, alhures por antigos, significava no código vovô ( 1916) que o homem, sexo mais forte na relação hetero afetiva ( observação: palavra inclusiva) , era o chefe da sociedade conjugal.  Em caso de empate, a decisão não seria pelo tiro ao gol ou lance de sorte com moedinhas, mas por escolha livre do maridão. Tempos bons. Não obstante sempre acreditei que a mulher tinha, in facto, o domínio da relação jurídica como credora das benesses masculinas e mais...

As mulheres sempre possuíam o certo controle subliminar in foro, ou seja, uma tal elegância com aquele charme sine qua non que deixaria qualquer um de boca aberta.

Eu digo por experiência concreta. Minha mulher manda na sociedade conjugal e o princípio da igualdade entre cônjuges é só para, digamos pelo bom provérbio, apimentar o relacionamento. 

 

 

 Há certas peculiaridades provincianas no código bebê ( 2002), mormente no tocante ao homem de idade avançada ou titio bom vivente que deseja casar  com Lo-li-ta, vice e versa ( sinta como Nabokov, estalando no céu da boca, o último liame do li-taa) e ter com ela um “ regime de bens” qualquer, sem metáfora.

 

Veja:

 

Art 1641, II do Código Civil.

 

As disposições legais obrigam a separação de bens; acredita o legislador papaizão que faz um bem ao velho alcunhando o título de otário, pois  todas as relações têm interesse ( $$) jurídico envolvido e efeito erga omnes. Foi o tempo em que os casais tinham bona fide.

 

 

E, por fim, Dire Straits:

 

Money for nothin' and your chicks for free
Money for nothin' and chicks for free

 

 



Escrito por Tiago às 14h52
[ ] [ envie esta mensagem ]


Idealidade do objeto.

"Meu sem-par terno Hugo Boss é - pessoa ideal- para se conhecer num churrasco universitário"

Recordações do poema-piada brasileirinho no qual Marcel Proust não teve oportunidade de ler.

Ou da projeção ideal e a diversidade da realidade concreta do lugar.



Escrito por Tiago às 12h13
[ ] [ envie esta mensagem ]


OITO COLUNAS

Sócrates:

 

É muita gentileza de tua parte, Cálicles. Mas, dispor-se-á ele, de fato, a conversar conosco? Desejo perguntar-lhe em que consiste a força de sua arte e o que é que ele professa e ensina. Quanto ao resto da exposição, poderá ficar, como disseste, para outra oportunidade.

 

 

Segunda parte da meditação sobre Górgias:

 

CLIQUE AQUI !

 

 

 



Escrito por Tiago às 15h20
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico
01/11/2007 a 30/11/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/01/2006 a 31/01/2006
01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/07/2005 a 31/07/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/11/2004 a 30/11/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004
01/02/2004 a 29/02/2004




Outros sites
 Wunderblogs
 Oito Colunas- casa nova
 Oito Colunas
 O Esquisito
 Austríaco
 Contra Ilusão
 Direita
 Patinando com o Alter-Ego
 Fabio Ulanin
 Método da Suspicácia
 O Indivíduo
 Blogico
 Zadig
 Nadando contra a Maré
 Se.liga.com.BR
 Grimaldo
 Amigos da América
 Fora do mundo
 Dardanus
 Filthy McNasty
 Mises Institute
 Lew Rockwell
 Stanley Kubrick
 Bob Dylan
 T.S.Eliot
 Mídia Sem Máscara
 Diego Casagrande
 E-books
 Aristóteles
 Machado de Assis
 Permanência
 Instituto Liberal-RJ
 Alguns bons artigos
 Xavier Zubiri
 Eric Voegelin
 Michel Villey
 Marcel Proust
 Antígona
 Associação Cultural Santo Tomás
 Olavo de Carvalho
 Mendo Castro Henriques
 Pequeno-burguês
 Cosa Mentale
 Claudio Tellez
 Cinema elegante
 Plural
 Meta o pé na jaca