Politicamente incorreto


Tudo por causa da conspiração hippie

Ferramentas de busca são protótipos invencíveis de mundos paralelos. Na primeira oportunidade faça o teste, caro leitor emburricado, procure por metonímias do passado, espectros hamletianos ou se o patronímico consta na lista de aprovação de algum vestibular. É assaz relevante para descobrir diabruras de outrem, pois o que vejo neste sítio    ------>  Aqui! Injúria gratuita     <------   é uma patranha pra lá de antiqüíssima  acusando meu antigo blog do blig. Algum inimputável, no anonimato, elogiou meu rabisco publicamente com adjetivações pra lá de Gulag ,  promovendo a destruição da minha imaginação privada e criando o famoso bode expiatório da quadrilha ou bando dos admiradores de conteúdo “extrema-direita”. O mundo é controvertido, diria aquele que gosta de antagonismos. Eu já disse, certa monta, que o mundo significaria um Grande Babanão supondo que os companheiros ao lado são destros ou canhotos. Nesse sentido cada bobalhão relevante soltaria uma tese histórica científica e acusaria outrem de nomes inaudíveis e palavrório chulo. E repetiriam a famosa briga de comadres que levou às guerras mundiais.

E olha que não preciso  falar nas 100 milhões de mortes.



Escrito por Tiago às 17h54
[ ] [ envie esta mensagem ]


Iniciativa privada intervindo no Estado.

Entrevistador: O que você será quando “crescer”?

 

Estudante de Direito: - Logo que me formar( no quinto ano) faço um preparatório para concurso público. Passo pra oficial de justiça e recebo 5 mil reais por mês. Daí consigo uma “ grana” a abro um negócio, entro com 100 mil reais, meu sócio também,  estudo uns livros de administração ,  consigo sentimento empreendedor  e assim mando ver:  assumo riscos e  calculo as probabilidades.

 

Entrevistador: Qual sua opção política?

 

Estudante de direito: sou do centro, nem excesso, nem a falta, facilmente influenciado e dificilmente persuadido.



Escrito por Tiago às 22h36
[ ] [ envie esta mensagem ]


Dom Quixote

“Efetivamente, o que eu vejo, bacharel, é que para compor histórias e livros, de qualquer gênero que sejam, é mister grande juízo e maduro entendimento; dizer graças e escrever doinares é de altíssimos engenhos. A mais discreta figura da comédia é a do parvo, porque precisa de o não ser quem quer fingir de tolo. A história é como que uma coisa sagrada, porque tem de ser verdadeira, e onde está a verdade está Deus enquanto verdade; mas, não obstante, há pessoas que compõem e produzem livros como quem dá pilritos “



Escrito por Tiago às 15h42
[ ] [ envie esta mensagem ]


De manhã com Leonard Cohen

Sisters of Mercy

Leonard Cohen

Oh the sisters of mercy,
they are not departed or gone.
They were waiting for me
when I thought that I just can't go on.
And they brought me their comfort
and later they brought me this song.
Oh I hope you run into them,
you who've been travelling so long.

Yes you who must leave everything
that you cannot control.
It begins with your family,
but soon it comes around to your soul.
Well I've been where you're hanging,
I think I can see how you're pinned:
When you're not feeling holy,
your loneliness says that you've sinned.

Well they lay down beside me,
I made my confession to them.
They touched both my eyes
and I touched the dew on their hem.
If your life is a leaf that the seasons
tear off and condemn
they will bind you with love that is
graceful and green as a stem.

When I left they were sleeping,
I hope you run into them soon.
Don't turn on the lights,
you can read their address by the moon.
And you won't make me jealous
if I hear that they sweetened your night:
We weren't lovers like that
and besides it would still be all right,
We weren't lovers like that
and besides it would still be all right.

 



Escrito por Tiago às 07h02
[ ] [ envie esta mensagem ]


Platão em Górgias

Sócrates:

 

-         Cálicles, se não houvesse entre os homens identidade de sentimentos comuns a todos, embora com diferenciações individuais, não seria fácil a ninguém explicar aos outros o que se passa consigo mesmo.

 

 



Escrito por Tiago às 13h25
[ ] [ envie esta mensagem ]


Ainda sobre malfadada “linguagem inclusiva”

Inocentes inúteis desconhecem a tática manifesta do Grande Papaizão em educar desdizendo algum conceito, no caso das espécies sem inteligência:  os animais experimentais e alguém alternando a cor luminosa, on -off, degusto ou não degusto a alimentação.

São exemplos claros da inclusão de palavras desnecessárias em que o Estado ajuíza que “educação é para todos”: “poder familiar”; relação “ homo-afetiva” , “ afro-descendente”, “ pessoa humana”, etc..

 

Permanece na minha pessoa humana uma nostalgia do séc XVII.



Escrito por Tiago às 15h29
[ ] [ envie esta mensagem ]


Olheiras matinais e poesia.

Top Model

 

Alberto da Cunha Melo

 

São horas e horas nos espelhos

Para aumentar seu esplendor,

Para que a atávica beleza

Seja maior aonde for,

 

mas não vai longe, o colorido

dos outdoors é destruído

 

por uma luz muito maior

do que o brilho dos refletores,

a luz do tempo, a luz do sol,

 

e os peitos flácidos da musa

vão ter a terra como blusa.

 

 

 

Dois caminhos e uma oração



Escrito por Tiago às 08h52
[ ] [ envie esta mensagem ]


Apêndice, errata, ou o que seja.

“ Rio a fluir” é antes de tudo herácliano.



Escrito por Tiago às 19h31
[ ] [ envie esta mensagem ]


Antes...mote para teoria da conspiração em filmes Disney

Ou...

Como descobri que Lion King é adepto da teoria hegeliana.

 

“ Desde o dia que ao mundo chegamos...caminhamos ao rumo do Sol...há mais coisa pra ver...mais que a imaginação...muito mais pro tempo permitir...e são tantos caminhos pra se seguir...e lugares pra se descobrir...e o sol a girar...sob o azul desse céu...nos mantém nesse rio a fluir... É O CICLO SEM FIM...que nos guiará...a dor e a emoção...pela fé e o amor...até encontrar...o nosso caminho...nesse ciclo...nesse ciclo sem fim.

 

Tradução e legenda: fé pública brasileira.



Escrito por Tiago às 19h20
[ ] [ envie esta mensagem ]


Até pensei em escrito para libido na sociedade, mas saiu tal coisa.

Nos tempos vindouros, o homem – ops, desculpe estou em terra invadida- a pessoa humana será perfunctoriamente tolerante. Eis uma moda, mais do que isso, um estado de espírito da pessoa humana que passará a tolerar qualquer circunstância da vida, até as mais embusteiras e ignominiosas. O self service man, ou human people, tratará mesquinhez com cordialidade; levantará seu chapéu para atrocidades dizendo “ Cada um com sua opinião, respeite”. Para esse, respeito e tolerância idiota se confundem, como se fossem boas escolhas de cada pessoa independente do seu fim. Porém não há como se perder o fim sem também se perder no meio, sendo o último algo que o homem tolerante não consegue entender: quando seu meio factual é atingido, ele adota uma postura, em geral, completamente diversa da sua tolerância, e até mesmo ríspida e cega. É fato observar homem, pessoa humana, refutar  indivíduo alheio por escolha, nos ditos dele, “ fora do seu tempo”, “ preconceituosa” e no instante em que arde o próprio  eufemismo, adora uma postura até contra-multidões, desdizendo tudo com naturalidade, adotando a defensiva. Homem que assim se considera só tem um qualificativo: covarde

 

 

...

 

O maior covarde de todos os tempos: Che Guevara.

No próximo post um comentário e tanto.



Escrito por Tiago às 18h54
[ ] [ envie esta mensagem ]


A vida íntima descoberta

Meu prestimoso terno Hugo Boss é uma bermuda havaiana nos “happy hours” e festas pirotécnicas. Enfatizo a verdade, sob pena de falso testemunho.

Nos melhores tribunais, meu terno Hugo Boss é pomposo orador, praticamente caminha sozinho em ambiente hostil; fora dessa circunstância é adepto da purpurina com adereços, adora uma “festa-da-carne” e as sem-músicas  hip, hop.



Escrito por Tiago às 12h47
[ ] [ envie esta mensagem ]


Lero-lero com Terno Hugo Boss.

Quero compreender o sábio linguajar, já meu lisonjeiro terno Hugo Boss deseja decorar o verbete “quid pro quo” para conversas triviais, assim se alguém o interpela sobre aporia, ele troca uma coisa pela outra e tergiversa na resposta.

Ele adora entreter num debate, dizer-lhe ser “ bem fundamentado” e “ clarificado” sem esquecer de colocar sua contribuição na boa peleja com termos aparentes para verdades evidentes; esmeros específicos com abrangências atrozes e analogias bem localizadas. Certo dia o aspirante veio-me com a constatação de que possivelmente sua escolha sob objetos deteriorados designava que você, o dotado de livre-arbítrio, seria nazista ou não. Certo ou não, logo tive a intuição que assistira demasiado “Arquitetura da Destruição” e talvez tenha analogicamente considerado aquilo todo-mundo. Mas nem foi isso, explicar-me-ia.  O fato é que ele se encontrava numa feira de animais e tendo escolher entre um pintinho perneta e um saudável, acabou escolhendo o último com muita dor na consciência, pois segundo seu alvedrio nazistas desejavam -até pintinhos perfeitos-, imagine com seres humanos. Escolher pintinho não perneta era ser nazista e fim de papo; optar pelo sem perna era ser livre, quid pro quo.

Meu terno Hugo Boss é um ente imaginário, evidente. Mas um espírito direito-acadêmico inspirou-me a máscara.

Fidelio.



Escrito por Tiago às 14h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


Mantra dos infernos : " eu sou de ninguém ( niilismo); eu sou de todo mundo; e todo mundo me quer bem ( coletivismo)

No mapa desta província das andorinhas há um grotão mal situado denominado Centro de Convivência Cultural, ambiente no qual as pessoas se aglomeram, fingem ser um todo-único e por fim acabam perdendo inteiramente sua personalidade. Daí ser o lugar adequado às massas e principalmente pelas exposições politicamente corretas, como “ arte lésbica".

Obviamente estas pessoas, e só elas, têm “pontos-de-vista” sobre determinadas manifestações artísticas, o que me leva a crer que “ponto de vista”significa algo relacionado à medicina como, por exemplo, a catarata. Mas daí ser simplista demais considerar tal coisa, pois tais pessoas consideram tais coisas como arte e defendem isso, o que me leva a entender que certas pessoas e coisas estão excessivamente erradas. E não é uma opinião, apenas, por que qualquer um pode soltar uma pilhéria. Só existe certa opinião plausível, o resto é desejo mal reprimido: arte é fundamentalmente busca do Belo, do Sublime, aquilo que faz o ser humano elevar-se a si e contemplar algo sob um ponto de vista mais profundo. E tenho dito.



Escrito por Tiago às 22h50
[ ] [ envie esta mensagem ]


OITO COLUNAS

Sobre Górgias de Platão.

 

AQUI!!!    <--------



Escrito por Tiago às 20h57
[ ] [ envie esta mensagem ]


[ ver mensagens anteriores ]
 
Histórico
01/11/2007 a 30/11/2007
01/09/2007 a 30/09/2007
01/12/2006 a 31/12/2006
01/07/2006 a 31/07/2006
01/05/2006 a 31/05/2006
01/04/2006 a 30/04/2006
01/02/2006 a 28/02/2006
01/01/2006 a 31/01/2006
01/11/2005 a 30/11/2005
01/10/2005 a 31/10/2005
01/07/2005 a 31/07/2005
01/06/2005 a 30/06/2005
01/05/2005 a 31/05/2005
01/04/2005 a 30/04/2005
01/03/2005 a 31/03/2005
01/02/2005 a 28/02/2005
01/01/2005 a 31/01/2005
01/12/2004 a 31/12/2004
01/11/2004 a 30/11/2004
01/10/2004 a 31/10/2004
01/09/2004 a 30/09/2004
01/08/2004 a 31/08/2004
01/07/2004 a 31/07/2004
01/06/2004 a 30/06/2004
01/05/2004 a 31/05/2004
01/04/2004 a 30/04/2004
01/03/2004 a 31/03/2004
01/02/2004 a 29/02/2004




Outros sites
 Wunderblogs
 Oito Colunas- casa nova
 Oito Colunas
 O Esquisito
 Austríaco
 Contra Ilusão
 Direita
 Patinando com o Alter-Ego
 Fabio Ulanin
 Método da Suspicácia
 O Indivíduo
 Blogico
 Zadig
 Nadando contra a Maré
 Se.liga.com.BR
 Grimaldo
 Amigos da América
 Fora do mundo
 Dardanus
 Filthy McNasty
 Mises Institute
 Lew Rockwell
 Stanley Kubrick
 Bob Dylan
 T.S.Eliot
 Mídia Sem Máscara
 Diego Casagrande
 E-books
 Aristóteles
 Machado de Assis
 Permanência
 Instituto Liberal-RJ
 Alguns bons artigos
 Xavier Zubiri
 Eric Voegelin
 Michel Villey
 Marcel Proust
 Antígona
 Associação Cultural Santo Tomás
 Olavo de Carvalho
 Mendo Castro Henriques
 Pequeno-burguês
 Cosa Mentale
 Claudio Tellez
 Cinema elegante
 Plural
 Meta o pé na jaca